Autoeducação e liberdade na Pedagogia Waldorf

  • Jonas Bach Junior
  • Tania Stoltz UFPR
  • Marcelo da Veiga Alanus Hochschule
Palavras-chave: autoeducação, liberdade, Pedagogia Waldorf

Resumo

Este artigo discute o significado de educação para a liberdade na Pedagogia Waldorf. A análise fenomenológica é adotada como suporte para compreensão do autodesenvolvimento da consciência docente em direção à sua potencialidade intuitiva. A autoeducação dos professores é a tradução prática dos fundamentos filosóficos concebidos por Steiner. Na formação de professores Waldorf, a autoeducação é explorada na dialética entre os movimentos psíquicos de simpatia e antipatia em relação ao mundo. A autoeducação seria então um princípio do individualismo ético do docente Waldorf para evitar tendências unilaterais do afastar-se ou perder-se da realidade. A conciliação entre os ideais de educação e o contexto real onde educador e educandos se encontram seria realizada pela capacidade criativa, denominada por Steiner de fantasia moral. Para não redundar em prescrições e receitas, ou fórmulas que apenas repetem o passado, o desafio do ideal da Pedagogia Waldorf é uma atualização do professor em nível existencial e profissional.

Biografia do Autor

Jonas Bach Junior
D
Tania Stoltz, UFPR
Pós-Doutorado em Educação pela Universidade de Genebra. Doutorado em Educação pela PUC-SP. Professora Adjunta I da UFPR.
Marcelo da Veiga, Alanus Hochschule
Doutorado em Filosofia pela Universidade de Duisburg. Reitor da Alanus Hochschule.
Publicado
2013-04-12
Como Citar
BACH JUNIOR, J.; STOLTZ, T.; DA VEIGA, M. Autoeducação e liberdade na Pedagogia Waldorf. Educação: Teoria e Prática, v. 23, n. 42, p. 161-175, 12 abr. 2013.
Seção
Temas em Debate