Metodologias ativas aplicadas em dois cursos técnicos pelos docentes no IFTO, Câmpus Palmas

Palavras-chave: Metodologias Ativas. Ensino-aprendizagem. Ensino Técnico.

Resumo

O presente trabalho demonstra uma pesquisa desenvolvida em conjunto com professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Tocantins (IFTO), campus Palmas, nos cursos de formação técnica profissional de controle ambiental e segurança do trabalho, com o objetivo de determinar se os professores utilizam as metodologias ativas. Com métodos qualitativos, objetivos exploratórios e procedimentos de pesquisa bibliográfica, a coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas com quatro docentes de dois cursos técnicos e entrevistas com questões abertas e fechadas. Segundo as constatações, todos os professores consideram que as metodologias ativas de aprendizagem são “bons” estimuladores da autonomia dos alunos e, embora tenham dificuldades em motivá-los e sensibilizá-los, utilizam vários métodos ativos de aprendizagem em sala de aula. As contribuições das teorias apresentadas nas aulas de formação profissional, que se podem observar durante as entrevistas realizadas com os professores, descreveram que estes não têm formação, mas possuem experiência na aplicação de metodologias ativas.

Referências

ARAÚJO, U. F. A quarta revolução educacional: a mudança de tempos, espaços e relações na escola a partir do uso de tecnologias e da inclusão social. ETD: educação temática digital, Campinas, v. 12, 2011. Número especial. Disponível em: http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/etd/article/view/2279. Acesso em: 16 ago. 2018.

ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. (org.). Estratégias de ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. (org.). Processos de ensinagem na Universidade. Pressupostos para estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, 2004. p. 67- 100.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís A. Reto e Augusto Pinheiro. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 11/2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_docman&view=download&alias=10804-pceb011-12- pdf&Itemid=30192. Acesso em: 29 ago. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federal do Brasil de 1988. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9.394 de 20/12/1996.

BEHRENS, M. A. A prática pedagógica e o desafio do paradigma emergente. Revista Brasileira de Estudos de Pedagogia, Brasília, v. 80, n. 196, p.383-403, set./dez. 1999.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n.1, p. 25-40, 2011. Disponível em: http://www.proiac.uff.br/sites/default/files/documentos/berbel_2018.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: Uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. 1. ed. [Reimpr]. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Salvador, v. 3, n. 4, p. 119-143, jul./ago. 2014.

CANDAU, M. V. A didática em questão. 9. ed. Petrópolis:Editora Vozes, 1991.

DORIGON, T. C.; ROMANOWSKI, J. P. A reflexão em Dewey e Schön. Revista Intersaberes, Curitiba, v. 3, n. 5, p. 8-22, 2011. Disponível em: http://www.grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/view/123. Acesso em: 29 ago. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2007.

GADOTTI, M. Pensamento pedagógico brasileiro. São Paulo: Ática, 1991.

GAROFALO, D. Como as metodologias ativas favorecem o aprendizado. Nova Escola, 2018. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/11897/como-as-metodologias-ativas-favorecem-o-aprendizado. Acesso em: 29 ago. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GOLDBERG, D. E. The missing basics & other philosophical reflections for the transformation of engineeringeducation. PhilSci Archive. [S.l.]: University of Pittsburg, 2010. Disponível em: http://philsci-archive.pitt. edu/4551/. Acesso em: 29 ago. 2018.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

JÓFILI, Z. Piaget, Vygotsky, Freire e a construção do conhecimento na escola. Educação: Teorias e Práticas. v. 2, n. 2, p. 191-208, dez. 2002.

KANE, L. Educators, learners and active learning methodologies. International Journal of Lifelong Education, 2007. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0260/37042000229237?journalCode=tled20. Acesso em: 29 ago. 2018.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MARTINS, J. Didática Geral. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1990.

MASSETO, M. Competência pedagógica do professor universitário. 2. ed. São Paulo: Summus, 2012.

MINAYO M. C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco; 2007.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PINTO, A. S. S.; BUENO, M. R. P.; SILVA, M. A. F. A.; SELLMAN, M. Z.; KOEHLER, S. M. F. Inovação Didática - Projeto de Reflexão e Aplicação de Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino Superior: uma experiência com “peer instruction”. Janus, Lorena, ano 6, n. 15, p.75-87, jan./jul., 2012.

SANTOS, S. C. O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor- estudante: aplicação dos “sete princípios para a boa prática na educação de ensino superior”. Cad. Pesq. Administração, 2001; v. 8, n.1, p. 69-75. Disponível em: http://www.sinprodf.org.br/wpcontent/uploads/2012/01/tx_5_proc_ens_aprend.pdf. Acesso em: 2 out. 2018.

VIEIRA JUNIOR, N. Metodologias de Ensino e Aprendizagem. Arcos, p. 3, 2018.

VIGOTSKY, L. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988. 125 p.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
MACHADO, L. DE P.; SILVA, A. S.; COSTA, R. F. DA; FARIA, I. G. Metodologias ativas aplicadas em dois cursos técnicos pelos docentes no IFTO, Câmpus Palmas. Educação: Teoria e Prática, v. 32, n. 65, p. e13[2022], 4 abr. 2022.