Brincar Infantil e Subjetividade: reflexões a partir da brincadeira de casinha

  • Aline Sommerhalder Centro Universitário Claretiano
  • Fernando Donizete Alves Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Brincar de Casinha, Psicanálise, Brinquedoteca, Educação Infantil, Aprendizagem

Resumo

O presente artigo trata do brincar infantil e da subjetividade: reflexões a partir da brincadeira de casinha. Em interlocução com a psicanálise como referencial teórico, o artigo tem por objetivo tratar de aspectos constitutivos do brincar infantil, em um ambiente de brinquedoteca escolar. Para tanto, realiza uma reflexão a partir de resultados de seis sessões de observação da brincadeira de casinha entre crianças da educação infantil. A observação dessa atividade lúdica foi acompanhada do registro em diário de campo das ações e falas das treze crianças participantes do estudo. O estudo mostra que o brincar infantil constitui-se em um espaço subjetivo e é um veículo privilegiado de realização simbólica de desejos e fantasias, de transformação da realidade e criação de novos conhecimentos. Portanto, ressalta-se a importância da valorização da brinquedoteca na escola como modo de resgate e concretização do brincar na educação infantil e destaca-se o valor dessa atividade lúdica para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança na educação infantil.

Biografia do Autor

Aline Sommerhalder, Centro Universitário Claretiano
Pedagoga pela UNESP/Rio Claro, Doutoranda em Educação Escolar pela UNESP/Araraquara, Professora do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Claretiano.
Fernando Donizete Alves, Universidade Federal de São Carlos
Licenciado em Educação Física pela UNESP/Rio Claro, Doutor em Educação Escolar pela UNESP/Araraquara, Professor Adjunto do Departamento de Educação Física e Motricidade Humana – UFSCar.
Publicado
2011-08-23
Seção
Artigos