A AULA DE FILOSOFIA COMO CRIAÇÃO CONCEITUAL E LABORATÓRIO CONCEITUAL

Palavras-chave: Filosofia. Laboratório conceitual. Experiência filosófica.

Resumo

Este artigo tematiza a aula de Filosofia como momento oportuno para uma criação conceitual na perspectiva de Deleuze e Guattari (2010) e como laboratório conceitual na perspectiva de Carrilho (1987). O enfoque teórico adotado aponta no sentido de um ensino de Filosofia como experiência filosófica, distanciando-se de um ensino meramente enciclopédico e doutrinário. O objetivo é, assim, evidenciar as contribuições dos autores já citados para o ensino de Filosofia que proporcione ao estudante um relacionar da Filosofia com a experiência cotidiana. Os resultados desta pesquisa bibliográfica destacam a importância de considerar-se a aula como laboratório conceitual em que o estudante pode relacionar os conceitos filosóficos da tradição com os problemas da sociedade contemporânea em que está inserido.

Referências

ASPIS, R. P. L. O professor de Filosofia: o ensino de Filosofia no Ensino Médio como experiência filosófica. Cadernos Cedes, Campinas, v. 24, n. 64, p. 305-320, set./dez. 2004.

BARROS, M. E. B. de; ZAMBONI, J. Gilles Deleuze, clínico da atividade filosófica: paradoxo do filósofo trabalhador. Fractal, Revista de Psicologia, Niterói, v. 24, n. 3, p. 579-598, set./dez. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 18 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 17 fev. 2017b. Seção 1, n. 35, p. 1-3.

CARRILHO, M. M. Aventuras da interpretação. Lisboa: Editorial Presença, 1985.

CARRILHO, M. M. Razão e transmissão da Filosofia. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1987.

CARRILHO, M. M. Verdade, suspeita e argumentação. Lisboa: Editorial Presença, 1990.

CNTE. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. A reforma do ensino médio suprime direitos, privatiza a educação e terceiriza os/as trabalhadores/as escolares. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 337-343, jan./jun. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.772. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/772. Acesso em 18 jul. 2018.

DALBOSCO, C. A.; EIDAM, H. Moralidade e educação em Kant. Ijuí: Unijuí, 2009.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Munõz. 3. ed. Rio de Janeiro: 34, 2010.

GALLO, S. Filosofia e o exercício do pensamento conceitual na Educação Básica. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 22, n. 44, p. 55-78, jul./dez. 2008.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Piracicaba: UNIMEP, 2006.

KOHAN, W. O. Filosofia: o paradoxo do aprender e de ensinar. Tradução Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

LINO, L. A. As ameaças da reforma desqualificação e exclusão. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 75-90, jan./jun. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.756. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/756. Acesso em 25 jul. 2018.

MACEDO, E. Base nacional curricular comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 45-68, abr./jun. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698153052. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982016000200045&lng=pt&tlng=pt.. Acesso em 18 jul. 2018.

MENDES, A. A. P. Atitude filosófica do jovem no cotidiano escolar do Ensino Médio: um estudo sobre as possibilidades da recepção do conteúdo de filosofia política. 2014. 187 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

OLIVEIRA, C. A. de. O ensino da Filosofia como criação de conceitos. 2013. 93 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

PINHEIRO, C. de M. Kant e a educação. Caxias do Sul: Educs, 2007.

TEIXEIRA, L. da S.; HORN, G. B. Didática do Ensino de Filosofia: pressupostos teóricos-metodológicos. Curitiba: CRV, 2017.

VASCONCELOS, P. S. D. Os sentidos do espanto ou contribuições para o ensino de filosofia como educação do pensamento: propósitos pedagógicos em Heidegger e Deleuze. 2011. 293 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

Publicado
2020-06-30