Constituição do direito à educação no Brasil: histórico e impasses na segunda década do século XXI

Palavras-chave: Estado. Educação. Direito à Educação.

Resumo

O artigo tem como objetivo discutir a progressiva adoção do direito à educação pelo Estado brasileiro nas Constituições Federais de 1824 a 1988 e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394) de 1996, em contraposição com as políticas sociais e educacionais contemporâneas que limitam o usufruto desse direito fundamental, como a Emenda Constitucional nº 95/2016, a Base Nacional Comum Curricular e a Reforma do Ensino Médio (Lei nº 13.415/2017). Nessa perspectiva, para o desenvolvimento do objetivo proposto, apresenta-se uma breve digressão histórica acerca da constituição legal do direito à educação no Brasil, e, posteriormente, um balanço inicial sobre o impacto das políticas sociais e educacionais supracitadas, em um contexto de aprofundamento dos ajustes neoliberais na segunda década do século XXI. Como resultado, observa-se que, ao contrário de contextos históricos anteriores, nos quais o direito à educação era abertamente negado por governos elitistas e autoritários, com as políticas neoliberais esse direito é limitado “por dentro” do Estado democrático, em um contexto de aprofundamento da crise do capitalismo em escala global.

Referências

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. p. 9-23.

AMARAL, N. C. PNE.PEC 241/55: a “morte” do PNE (2014-2024) e o poder de diminuição dos recursos educacionais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, [s.l.], v. 32, n. 3, p. 653-673, set./dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2ztKyEW. Acesso em: 28 nov. 2018.

ARANHA, M. L. de A. História da educação e da pedagogia. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SÃO PAULO. Projeto de Lei nº 839, de 22 de novembro de 2016. Dispõe sobre reconhecimento e titulação de "Notório Saber" para os cargos de professores no Estado. Diário da Assembleia, São Paulo, SP, p. 10, 22 nov. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2pd8A1u. Acesso em: 16 set. 2018.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. [Constituição (1988)] Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1967. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao67.htm. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil de 1946. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm. Acesso em: 26 ago. 2018.

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 01, de 17 de outubro de 1969. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc01-69.htm . Acesso em: 26 abr. 2018.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais – Brasília: Coordenação Geral de Educação em SDH/PR, Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, 2013.

BOITO JUNIOR, A. Os atores e o enredo da crise política. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (org.). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 23-28.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948. Disponível em: http://www.dudh.org.br/wpcontent/uploads/2014/12/dudh.pdf. Acesso em: 27 ago. 2018.

FREITAS, L. C. de. Política Educacional e Base Nacional. Avaliação Educacional, [s. l.], 18 set. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2TTAcqo. Acesso em: 28 nov. 2018.

FILHO, N. M.; KIRSCHBAUM, C. Educação e desigualdade no Brasil. In: ARRETCHE, M. Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: UNESP; CEM, 2015. p. 109-132.

FOREQUE, F. Conselho Nacional de Educação propõe até 30% de EAD no ensino médio. 2018. Disponível em: https://glo.bo/2A2W8HY. Acesso em: 26 nov. 2018.

GIMENEZ, F. V. Expansão e inclusão na educação superior: a bolsa permanência na UFMS. 2017. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande/MS, 2017.

GONÇALVES, S. da R. V. Interesses mercadológicos e o “novo” ensino médio. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 131-145, jan./jun. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2QAImT1. Acesso em: 16 set. 2018.

GURGEL, Y. M. P. Direitos humanos, princípio da igualdade e não discriminação: sua aplicação às relações de trabalho. 2007. Tese (Doutorado em Direito) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo/SP, 2007.

HERKENHOFF, J. B. Dilemas da educação: dos apelos populares à Constituição. São Paulo/SP: Autores associados, 1989.

MOREIRA, O. R. Políticas públicas e direito à educação. Belo Horizonte: Fórum, 2007.

MORENO, A. C. 90% das universidades federais tiveram perda real no orçamento em cinco anos; verba nacional encolheu 28%. 2018. Disponível em: https://glo.bo/2lDSjAO. Acesso em: 26 nov. 2018.

NETTO, J. P. FHC e a política social: um desastre para as massas trabalhadoras. In: LESBAUPIN, I. O desmonte da nação: balanço do governo FHC. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 75-89.

OLIVEIRA, D. A. Nova gestão pública e governos democrático-populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à educação. Educ. Soc., Campinas, [s. l.], v. 36, n. 132, p. 625-646, jul./set., 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v36n132/1678-4626-es-36-132-00625.pdf. Acesso em: 28 nov. 2018.

PAULANI, L. M. Uma ponte para o abismo. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (org.). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

PERONI, V. Múltiplas formas de materialização do privado na educação básica pública no Brasil: sujeitos e conteúdo da proposta. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 212-238, jan./abr. 2018. Disponível em: http://bit.ly/2LTh3DC. Acesso em: 15 jul. 2019.

PERONI, V.; CAETANO, M. O público e o privado na educação - Projetos em disputa? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 337-352, jul./dez. 2015.

POMPEU, G. V. M. Direito à educação: controle social e exigibilidade judicial. Rio – São Paulo – Fortaleza: ABC Editora, 2005.

RAMALHO, R. STF permite que universidade pública cobre mensalidade em cursos de especialização. Brasília, 2017. Disponível em: https://glo.bo/2KCKYNK. Acesso em: 26 nov. 2018.

ROCHA, A. C. dos S. Educação: um caminho possível na busca pela igualdade, inclusão e justiça social. In: NOZU, W. C. S.; LONGO, M. P.; BRUNO, M. M. G. (org.). Direitos humanos e inclusão: discursos e práticas sociais. Campo Grande/MS: Ed. UFMS, 2014.

RODRÍGUEZ, M. V. Políticas Públicas/Margarita Victoria Rodriguez. – Campo Grande, MS: UFMS, 2010. Módulo 1.

SCHEIBE, L.; SILVA, M. R. da. Reforma do ensino médio: Pragmatismo e lógica mercantil. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 19-31, jan./jun. 2017. Disponível em: https://bityli.com/wS1wG. Acesso em: 15 abril. 2021.

SEVERINO, A. J. Os embates da cidadania: ensaio de uma abordagem filosófica da nova LDB. In: BRZEZINSKI, I. (org.). LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998. p. 85-97.

SGUISSARDI, V. Estudo Diagnóstico da Política de Expansão da (e acesso à) Educação Superior no Brasil – 2002-2012. Brasília: Edital N. 051/2014 SESU; Projeto de Organismo Internacional – OEI; Projeto OEI/BRA/10/002, 2014.

SILVA, R. N. Política educacional para os anos 90. In: VELLOSO et al. Estado e educação. Campinas/SP: Papirus, 1992.

SOUZA, K. R.; SCAFF, E. A. da S. O direito humano à educação em países lusófonos: um estudo comparado em Brasil e Angola. In: NOZU, W. C. S.; LONGO, M. P.; BRUNO, M. M. G. (org.). Direitos humanos e inclusão: discursos e práticas sociais. Campo Grande/MS: Ed. UFMS, 2014. p. 39-56.

VIEIRA, E. A república brasileira 1951-2010 de Getúlio a Lula. São Paulo: Cortez, 2015.

VIEIRA, S. L. História da educação no Ceará: sobre promessas, fatos e feitos. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2002.

Publicado
2022-01-10
Como Citar
DE OLIVEIRA BEZERRA, V.; LIMA, T. DA S. Constituição do direito à educação no Brasil: histórico e impasses na segunda década do século XXI. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e43[2021], 10 jan. 2022.