GESTÃO DEMOCRÁTICA: MICROPOLÍTICAS EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Palavras-chave: Gestão democrática. Micropolíticas. Contexto da prática.

Resumo

O presente artigo propõe abordar algumas reflexões e tensões sobre a relação entre gestão democrática escolar e a produção de micropolíticas. Para isso relata aspectos observados em uma escola pública da rede municipal do Rio de Janeiro e traça alguns deslocamentos sobre o “conceito de gestão democrática”, baseando-se no ciclo de políticas de Ball e Bowe (1992). O intuito é ecoar como os arranjos políticos e o funcionamento das micropolíticas fazem emergir arenas de disputas internas e até mesmo a ambivalência da noção de gestão democrática. Trazer a escola para este texto ajuda-nos a pensar sobre diferentes aspectos da micropolítica no contexto da prática: o funcionamento das disputas políticas que constituem o processo de gestão na unidade escolar, dos quais emergem negociações e conflitos, evidenciando não só as relações de poder em que se dão.

Referências

ARELARO, L. R. G.; JACOMINI, M. A.; CARNEIRO, S. R. G. Limitações da participação e gestão democrática a rede estadual paulista. Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, out./dez. 2016.

BALL, S. J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BHABHA, H. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renata Gonçalves. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9394.htm. Acesso em: 7 jun. 2018.

BUTLER, J. Fundamentos Contingentes. Cadernos Pagu. Campinas: SP, n. 11, p.11-42, 1998.

FERNANDEZ, S. Projeto Político Pedagógico e cotidiano escolar: retrospectivas, deslocamentos e possibilidades. In: AMARAL, D. P. do. Gestão Escolar pública: desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Fundação Vale, UNESCO, 2015.

FERREIRA, V. da R. S.; MEDEIROS, J. J. Fatores que moldam o comportamento dos burocratas de nível de rua no processo de implementação de políticas públicas. Cad. EBAPE.BR, v. 14, n. 3, Artigo 1, Rio de Janeiro, jul./set. 2017.

HALL, S. Quando foi o pós-colonial? Pensando no limite. In: HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003, p. 116-123.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas: SP, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

MAINARDES, J. Reflexões sobre o objeto de estudo da política educacional. Laplage em Revista. Sorocaba: SP, v. 4, n. 1, p. 186-201, jan./abr. 2018.

OLIVEIRA, A. C. P. de; WALDHELM, A. P. S. Liderança do diretor, clima escolar e desempenho dos alunos: qual a relação? Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 24, n. 93, p. 824-844, out./dez. 2016.

PARO, V. Diretor Escolar? Educador ou gerente? São Paulo: Cortez, 2015.

SILVA, J. M. A. de P. A construção da identidade de diretores: discurso oficial e prática. Educação em Revista, v. 27, n. 3, p. 211-230, dez. 2011.

STENGERS, I. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 69, p. 442-464, abr. 2018.

Publicado
2021-03-15