Sobre andar a pé, conhecer e aprender: o sujeito caminhando e o processo educacional

Palavras-chave: Caminhada. Vivência. Conhecimento

Resumo

Este artigo trata da relação entre caminhar e aprender, contrapondo processos educacionais que ocorrem predominantemente de modo espontâneo pela vivência corporal, com as formalidades dos métodos de ensino na educação escolar em que, impera o conhecimento conceitual em detrimento dos saberes adquiridos pelas experiências de vida. A prática da caminhada, inserida em um contexto educacional, expressa, pois, o sujeito caminhando, isto é, aquele que vivencia o mundo andando a pé e dele apreende o saber por meio das percepções da existência, tornando-se, então, o sujeito conhecendo o meio em que habita. O referencial teórico obtido pelo levantamento bibliográfico aponta que, pelo caminhar, alcança-se um tipo de saber que não se aparta da realidade, confere sentido à existência e significado ao mundo em que se vive, e dá sentido ao conhecimento para além do universo conceitual. Trata-se de um saber concreto, mediado pela experiência do existir, que se faz caminhando, em um mundo real, vivenciado. Cabe à educação escolar explorar os recursos didáticos e pedagógicos que a prática da caminhada oferece como instrumento eficaz para um processo de aprendizagem contínuo e vinculado com a existência.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

AGUIAR, C. M. Educação e Saberes: correlação com a natureza e a cultura. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.

BERGER, J. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BICUDO, M. A. V. e ESPÓSITO, V. H. C. (org.). Pesquisa qualitativa em educação. Piracicaba: UNIMEP, 1994.

BRANDÃO, C. R. O que é Educação? São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRUHNS, H. T. A busca pela natureza: turismo e aventura. São Paulo: Manoel, 2009.

CANGUILHEM, G. O conhecimento da vida. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FREINET, C. Ensaio de Psicologia Sensível. São Paulo, Martins Fontes, 1998.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. Campinas: Papirus, 1994.

INGOLD. T. O Dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 21-36, jul./dez. 2015.

INGOLD. T. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

INGOLD. T. Da transmissão da representação à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 6-25, jan./abr. 2010.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí/RS: Unijuí, 1994.

KUNZ, E; TREBELS, A. H. Educação física crítico-emancipatória. Ijuí/RS: Unijuí, 2006.

LE BRETON, D. Antropologia dos Sentidos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

LE BRETON, D. Éloge de la marche. Éditeur: Métailié, 2000.

MACEDO, D. Para além de uma educação domesticadora. Entrevista com Noam Chomsky. Currículo sem Fronteiras, v. 4, n. 1, p. 5-21, jan./jun. 2004.

MAFFESOLI, M. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina, 2010.

MARTIS, J.; BICUDO, M. A. V. Estudos sobre existencialismo, fenomenologia e educação. São Paulo: Centauro, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

NÓBREGA, T. P. Corporeidade e educação física: do corpo-objeto ao corpo-sujeito. 3. ed. Natal: EDUFRN, 2009.

SCHUTZ, A. Sobre fenomenologia e relações sociais. Petrópolis: Vozes, 2012.

SILVA, A. M.; DAMIANI, I. R. As práticas corporais na contemporaneidade: pressupostos de um campo de pesquisa e intervenção social. In: SILVA, A. M.; DAMIANI, I. R. (org.) Práticas Corporais: Gênese de um movimento investigativo em Educação Física. Florianópolis: Nauemblu Ciência & Arte, 2005.

Publicado
2022-01-10
Como Citar
ANDRADE AUGUSTI, M. R. Sobre andar a pé, conhecer e aprender: o sujeito caminhando e o processo educacional. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e49[2021], 10 jan. 2022.